Imprimir Email Criado em 11-08-2015

A Organização Internacional da Aviação Civil (ICAO) reconhece o importante papel desempenhado pelo Instituto Nacional da Aviação Civil (INAVIC), para o crescimento do sector da aviação em Angola, afirmou o director adjunto desta instituição, Rui Carreira.

Ao falar do desenvolvimento da aviação em Angola, num entrevista exclusiva à Angop, Rui Carreira adiantou que o INAVIC tem trabalhado para o cumprimento da Lei de Aviação Civil, o que permitiu que, ao longo dos 40 anos de independência, a aviação civil crescesse muito.

O antigo piloto da Força Aérea Popular de Angola/Defesa Antiaérea (FAPA/DAA) afirmou que o sector está, hoje, sob o controlo do órgão reitor, o INAVIC, e que a Lei da Aviação Civil e os seus normativos técnicos são cumpridos por todos os operadores que exercem a sua actividade no país.

“Este facto é reconhecido pela ICAO”, revelou Rui Carreira, para quem o factor guerra contribui para esse crescimento, na medida em que impedia a livre circulação terrestre de pessoas e bens pelo país.

Recordou que o INAVIC tem, principalmente, duas vertentes de actuação designadamente a de zelar para que as operações da aviação civil sejam feitas com segurança e a de regular o acesso ao mercado da aviação.

Para Rui Carreira, com o actual momento de desenvolvimento de Angola, vai dar-se também uma grande movimentação de aeronaves, o que vai elevar os rendimentos saídos destas operações comerciais de voos.

Considerou que estas novas intervenções no mercado, vão provocar a procura de soluções conjuntas para as ligações aéreas de certas áreas do país.

A semelhança do passado, apontou, à procura vai ditar as regras para que o sector evolua e assim o INAVIC apresenta-se, também, como uma estrutura cada vez mais sólida e completa no seu exercício.

“Com o país em paz, com os caminhos-de-ferro a funcionar e com outros meios de transporte, o órgão reitor da aviação civil em Angola vai continuar a trabalhar para superar as indefinições, incertezas e bloqueios ao desenvolvimento do ramo”, concluiu.